Resumo Babi – MOtricidade Intestinal

Gastrologia – Motricidade Intestinal
Pasta Padrão Complementada
Bárbara Trapp MED 91 UnB

Intestinos: diferenças e semelhanças

 Estrutura distinta
 Conformação: o colon possui segmentações (haustrações: formados pelas contrações segmentares, resultam em movimentos para trás e para frente e na mistura dos conteúdos luminais, aumenta a retenção do bolo, aumentando retenção de sais e água).
 Diâmetro: maior no grosso do que no delgado.
 Extensão maior no delgado do que no grosso.

 Área de superfície
 Área de superfície do delgado é cerca de 20X maior

 Atividade motora
 Distinta no jejum e nas refeições

Funções motoras

 Intestino delgado
 Mistura
 Propulsão

 Cólon (não tem CMM)
 Armazenamento
 Mistura
 Propulsão
 Reciclagem de água e nutrientes.

 Seis padrões de motricidade

 Circuitos do SNE embutem padrões de atividade motora
 Intestino delgado
 1- Padrão de jejum: complexo motor migratório (CMM)
 2- Padrão motor alimentar
 3- Propulsão de força oral: êmese

 Intestino grosso
 4- Migração de haustros

 Intestinos delgado e grosso
 5- Íleo fisiológico (contração inibida)
 6- Propulsão de força ab-oral

 Controle miológico da motricidade

 Ritmo elétrico básico
 Origem nas células intersticiais de Cajal
 Frequência decrescente no duodeno e jejuno
 Determina frequência máxima de contração
 Propagada, no jejum
 Segmentar, no período alimentar

Padrão de jejum no delgado – CMM

 CMM
 Ciclos de ação e repouso: atividade contrátil intensa separa por períodos de quiescência longos.
 Íleo fisiológico: Fase I – quiescência motora com contração inibida.
 Frente de atividade:
 Fase II : atividade motora irregular; contrações irregulares.
 Fase III : atividade motora regular (todas as ondas lentas têm PA).
 Regulação
 Padrão de motricidade embutido no SNE
 Liberação de motilina

 Funções
 Remoção de resíduos: contrações peristálticas mais propulsivas do que no período alimentar. Varrem o conteúdo do intestino delgado na direção do cólon.
 Contenção de colonização bacteriana: o CMM inibe a migração de bactérias colônicas para dentro do íleo terminal.

 Reflexo peristáltico
 Segmentos de contratilidade
 Segmento receptivo: inibição neural
 Neurônios excitadores:
 Ativo: músculo longitudinal
 Inativo: músculo circular
 Neurônios inibidores: presentes apenas na camada circular. Ativos.
 Segmento propulsivo: potencial em ponta
 Neurônios excitadores
 Inativo: músculo longitudinal
 Ativo: músculo circular
 Neurônio inibidor inativo

Padrão alimentar do delgado

 Evocado por estímulos da refeição
 Expressa atividade motora segmentar contínua (sem fase 1), com predominância de segmentação.
 Substitui o CMM
 Favorece mistura do conteúdo e contato com a mucosa (absorção).

 Duração do padrão alimentar

 Proporcional ao teor de calorias da refeição (quanto maior o teor calórico, maior a duração)
 Dependente do tipo de nutrientes
 Proteínas (trazem baixa duração)
 Carboidratos (média duração)
 Lipídios (trazem alta duração)

 Motilidade do intestino delgado
• Segmentação: contrações pouco espassadas da camada muscular circular. Essas contrações dividem o intestino em pequenos segmentos adjacentes. A segmentação efetivamente mistura o quimo com as secreções digestivas e renova seu contato com a superfície mucosa. Uma contração a frente, outra atrás, proporciona a movimentação oral e aboral do bolo ao mesmo tempo, favorecendo a sua mistura. Não são muito propulsivas: a velocidade lenta permite tempo adequado para digestão e absorção.
• Peristalse: propulsão aboral do bolo, responde à deformaçõ da mucosa. Parte anterior ao bolo: contração da musculatura circular e relaxamento da musculatura longitudinal. Parte posterior ao bolo (recepção do bolo): relaxamento da musculatura lisa circular e contração da musculatura longitudinal.

 Caracterização da segmentação

 Alternância de segmentos propulsivo (neurônio inibidor inativo) e receptivo (neurônio inibidor ativo).
 Promoção de mistura e absorção

 Sincronização de neurônios
 Ativo: segmento receptivo
 Inativo: segmento propulsivo

 Ritmo elétrico básico
 Provoca contração no segmento propulsivo

 Padrão alimentar: tipos de mediação

 Evocação:
 Estímulos no lúmen (ativam configuração embutida no SNE)

 Mediação hormonal
 Gastrina: liberação estimulada pela presença de proteínas.
 Colecistoquinina: liberação estimulada pela presença de lipídeos.
 Efeito no estômago e no duodeno

 Mediação extrínseca
 Requer atividade vagal (ou de nervos pélvicos, nas partes distais ao cólon transverso)

 Atividade vagal bloqueada: aparece padrão de jejum no lugar do alimentar

 Tempo de trânsito boca-ceco

 Teste do H2 expirado
 Ingestão de lactulose
 Hidrólise no cólon por enzimas bacterianas
 Excesso de produção de H2 (leva a difusão)
 Elevação do teor de H2 expirado (determinação do tempo de trânsito boca-ceco)

 Variação do tempo de trânsito boca-ceco

 Ciclo menstrual:
 Prolongamento na fase luteínica (progesterona: relaxamento)
 Afeta ritmo de defecação

 Fármacos cinéticos
 Curva de controle
 Acelerado por cisapride (agonista do receptor 5-HT)
 Retardado por loperamida (agonista do receptor opioide)
 Alta frequência de segmentação

Que fatores explicam as diferenças?

 Diferença entre órgãos
 Esvaziamento do delgado: completo em menos de 7 horas
 Esvaziamento do cólon: nulo até haverem se passado ao menos 8 horas após a ingestão

 Diferença entre refeições sólido/líquido

Intestino grosso: funções

 Diferenças entre cólon proximal, distal, reto e canal anal
 Funções:
 Armazenamento (absorção de fluidos) – proximal. Atividade motora de sentido oral, gerando retardo.
 Formação de fezes – distal
 Continência e defecação – reto e canal anal

 Relação: ritmo elétrico básico

 Cólon: atividade contrátil

 Tipos:
 Segmentação: mistura e absorção. A maior parte das contrações do ceco e da parte proximal do intestino grosso é segmentar, e elas são mais eficazes em misturar e fazer circular os conteúdos colônicos do que em impulsioná-los. A ação de mistura facilita a absorção de sais e de água pelo epitélio mucoso. Essas contrações segmentares dividem o cólon em haustrações (resultam em movimentos para trás e para frente e na mistura dos conteúdos luminais).
** A diferença mais dramática entre haustração e a segmentação que ocorre no intestino delgado é a regularidade dos haustros e o longo comprimento do intestino grosso envolvido em haustrações em um determinado momento.

 Migração de haustros: movimentação – as contrações haustrais segmentares amassam as fezes e deste modo facilitam a absorção do restante de sais e água.
• Sentido oral: cólon proximal.
• Sentido aboral: cólon distal.
• É interrompido periodicamente e substituído por propulsão de força ( 1 – 4 x/dia)

 Propulsão de força aboral (movimento em massa) – 1x/dia: o movimento em massa empurra os conteúdos por um comprimento do cólon em direção ao reto. Difere da peristalse porque os segmentos permanecem contraídos por um tempo.

 Relação com funções:
 Absorção de fluidos: mistura o bolo e o retém por um longo período a fim de absorver a maior quantidade de água e sais.
 Formação de fezes: motilidade propulsiva do bolo em direção ao reto – defecação.
 Defecação

 Resposta motora à refeição: Reflexo gastrocólico
• Longo arco reflexo que é iniciado pela distensão gástrica. Esse reflexo produz um aumento na motilidade do cólon com movimentação em massa das fezes. Sua função é limpar o cólon para prepará-lo para receber a nova refeição.
• Receptores no TGI proximal
• Mediação vagal + humoral (CCK)
• Atividade motora = relaxamento do cólon distal: transferência de fezes para o reto.

 Defecação:
• O enchimento retal causa relaxamento do esfíncter anal interno (liberação de VIP e NO via reflexo reto-inibitório) e aumento do tônus do esfíncter anal externo (voluntário, impedindo a saída acidental das fezes).
• Relaxamento do músculo púbico-retal, o que resulta na mudança do ângulo retoanal (fica menos agudo). Contração retal promove a força necessária para a expulsão das fezes.
• A evacuação á ocasionada pela contração simultânea do músculo reto abdominal, diafragma, o que aumenta a pressão intra-abdominal.
• Flatulência: envolve os mesmos mecanismos da evacuação, exceto em relação ao músculo púbico-retal. Esse músculo não relaxa, não havendo modificações no ângulo retoanal. Isso permite a saída de gases sem a presença de fezes.

Reflexo reto-inibitório: involuntário

1. Mecanorreceptores: distensão da parede do reto. Liberação de serotonina (inibitória).
2. Estímulos de neurônios sensoriais
3. Relaxamento do esfíncter anal interno
4. Contração do reto: aumento da atividade propulsiva no cólon e reto: contrações.

Reflexo voluntário /Relaxamento voluntário: favorece defecação.
 Aumento da pressão intra-abdominal
 Relaxamento do esfíncter anal externo
 Movimento do soalho pélvico: sinergia pélvica.

 Defecação: sinergia pélvica

 Continência (repouso)
 Contração do músculo púbico-retal e do esfíncter anal externo.
 Ângulo ano-retal 85-110º

 Defecação
 Relaxamento dos músculos
 Abertura do ângulo ano-retal (menos agudo)
 Descida do assoalho pélvico

 Distúrbios da motilidade intestinal

 Modalidades
 Trânsito acelerado
 Trânsito relaxado
 Incoordenação motora

 Relação com sítio e natureza do distúrbio
 Afetam características da evacuação
 Frequência
 Grau de consistência
 Sensações associadas

 Cólon irritado: critérios

 Sintomas crônicos
 Dor abdominal
 Alteração da defecação
 Associada a sensação de estufamento e evacuação incompleta

 Exclusão por sinais de alerta
 Febre
 Perda de peso
 Sangue nas fezes

 Ausência de alterações
 Bioquímicas (e.g., T3 alto)
 Estruturais (e.g., inflamação)
 Toque retal anormal

 Cólon irritado: fisio-patologia

 Hiper-reatividade motora (maior prevalência de sintomas em situações de estresse)
 Hiper-estesia visceral
 Trânsito acelerado no delgado e no cólon
 Desrregulação na inter-comunicação
 Sistema nervoso central/sistema nervoso entérico

 Cólon irritado: tempo de trânsito

 Trânsito boca-ceco
 Normal: adequação do tempo de contato com o conteúdo
 Acelerado: redução do tempo de contato (pacientes com diarréia)
 Retardado: prolongamento do tempo de contato (pacientes com constipação)

 Cólon irritado: fatores psico-sociais
 Estresse exacerba os sintomas
 Mecanismos centrais e intestinais
 Fatores psico-sociais afetam desfechos de bem-estar, brusca de assistência e intensidade de sintomas.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: